segunda-feira, janeiro 11, 2010

Santificação:um tema esquecido em tempo de Extravagância


Escrever sobre santificação nesses tempos trabalhosos não é uma tarefa fácil, da mesma forma que é difícil pregar sobre ela. Aprendi que quatro coisas acontecem quando se fala acerca da santificação: ouvimos poucas glórias a Deus; os crentes “artificiais” ficam inquietos; os fiéis dizem: “Fala, Senhor, que o teu servo ouve!”; e os demônios ficam apavorados.
No caso da palavra escrita, as reações são um pouco diferentes, em razão de haver a possibilidade de o leitor se esquivar da leitura, o que, no caso da pregação, não é tão simples de se fazer.
Um crente “artificial”, não comprometido com a doutrina de Deus, não vai querer sequer começar a ler um artigo sobre a santificação. Por outro lado, um crente fiel não só o lerá, como também o divulgará, fazendo com que essa mensagem seja propagada entre os desapercebidos. E é isso que me anima a escrever este artigo!
A santificação é um dos temas menos pregados nas igrejas, não obstante a relevância que as Escrituras lhe atribuem. Sem ela, para se ter uma idéia, ninguém entrará no Céu:
“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14).
A santificação é a condição para se ver a Deus, tanto nesta vida quanto no futuro (1 Jo 3.1-3). E, por essa razão, há inúmeras referências que nos remetem a ela.
Nos tempos do Antigo Testamento, a condição para se receber as bênçãos do Senhor era a santificação (Lv 11.44). Não foi o que Deus exigiu do povo quando da travessia do Jordão? Disse Josué: “Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós” (Js 3.5). Mais tarde, por ocasião da inauguração do templo, em Jerusalém, Salomão orou a Deus, e ouviu a resposta: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdorarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Cr 7.14).
Ao analisar as páginas neotestamentárias, vemos que a condição para que as promessas do Senhor sejam confirmadas em nossa vida continua sendo a mesma: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra (...). Porque Deus não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação” (1 Ts 4.3,4,7). E Paulo, na mesma carta, assevera que a santificação envolve o espírito, a alma e o corpo (5.23).
Antes de saber mais detalhadamente acerca da santificação, precisamos entender o que ela não é.
Não é ter aparência. Muitos pensam, por exemplo, que ser santo é ter aparência de piedade. Vestem-se de modo simplório de propósito, não por que não tenham condições de se vestir melhor. Falam baixinho, ficam com o semblante descaído...
Outros já partem para o radicalismo, para o extremismo, preocupando-se demasiadamente com medidas. Afirmam que o diâmetro da barra da calça, a largura da gravada e do cinto, bem como a espessura do salto do sapato devem ter tantos centímetros... Seria isso uma demonstração de vida santificada?
Em Colossenses 2.20-22, o apóstolo Paulo ensinou que devemos nos precaver quanto a pessoas que ensinam doutrinas de homens, fundamentadas em ensinamentos radicais, como: “não toques, não proves, não manuseies”. Tal comportamento evidencia uma santificação que está além da exigida pelo Senhor. Em Eclesiastes 7.16,17, está escrito: “Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas tolo; por que morrerias antes do teu tempo?”
Não é ser fanático. Há crentes, quando o assunto é a santificação, que partem mesmo para o fanatismo. Certo irmão afirmou que, na vinda de Cristo, os crentes que estiverem tomando banho não serão arrebatados! Por quê? Simplesmente, porque estarão nus! Houve um tempo em que não se podia usar perfume, pois diziam os que se consideravam santos: “Nós já temos o perfume de Cristo”.
Ora, a nudez condenada por Deus é a que leva à imoralidade, relacionada com a lascívia e com a pornografia. O Senhor também condena a nudez espiritual, isto é, o desprovimento da graça de Deus, ocasionado pela arrogância e pela cega confiança nos recursos humanos, como aconteceu com o pastor de Laodicéia (Ap 3.17,18). Quanto ao perfume (bom cheiro) de Cristo, o ensino de Paulo é no sentido espiritual (Cf. 2 Co 2.14-17).
E o televisor? É claro que não aprovamos as programações imorais e tendenciosas que nele são apresentadas. Contudo, não deixa de ser um aparelho como os demais, como é o computador. No tempo em que não havia televisor, sabe quem era o vilão? O rádio! Diziam alguns: “O rádio é a caixa do diabo!” Mas o tempo passou, o mundo evoluiu, e ficou demonstrado que o radicalismo não foi o melhor caminho para tratar do tema em foco.
Não é isolamento. A santificação também não é isolamento. Ouvi, certa vez, uma irmã dizendo que, quando ela se consagra, as pessoas não conseguem nem olhar para ela, tamanha a sua santidade! Creio que não andou nessa terra uma pessoa mais santa do que Jesus. E, onde o encontravam, freqüentemente? No meio de pecadores (Lc 5.27-32).
Jesus participou das bodas de Caná da Galiléia, demonstrando ser sociável (Jo 2.1-11). Assentar-se na roda dos escarnecedores não é se afastar deles, e, sim, tomar parte em suas prevaricações (cf. Sl 1.1; Is 6.1-8). Como luz do mundo (Mt 5.14-16), que deve brilhar em meio às trevas (Fp 2.15), não podemos nos isolar da sociedade, mas influenciá-la com o bom cheiro de Cristo.
Mas há, ainda, um grupo de pessoas que pensa que santificação é maltratar o corpo, subjugá-lo com sacrifícios exagerados. Não! Deus não se agrada disso (1 Sm 15.22; Ec 5.1). O Senhor quer obediência aos seus preceitos, e é isso que denota santificação verdadeira. Viver uma vida de santificação também não implica viver sem tentação (Mt 4.1-11) nem estar imune ao pecado (1 Co 10.12). Significa, antes, ter poder para dominar o pecado (Rm 6.14).
Afinal, o que é santificação?

(continua...)

Ciro Sanches Zibordi

Um comentário:

  1. O Plano da Salvação de Deus Pai E UNIÃO EM CRISTO, é simples assim: Se Jesus causa sofrimento, dor e morte. Jesus é o Diabo. Por outro lado, se Jeová da vida, para não causar sofrimento, dor e morte. Jeová é o Senhor de nossas vidas. Agora, você vai lá na Bíblia e vê, quem é quem. O Espírito Santo é totalmente transparente. Se Jesus dá a vida para não causar dor, sofrimento e morte. Jesus é o Senhor Libertador e Salvador. Se Jeová causa dor, sofrimento e morte. Jeová é o diabo. Palavras DE JESUS CRISTO NO LIVRO DO ESPIRITO SANTO VERDADEIRO. http://livrodoespiritosanto.webnode.com.br/ É teu dever ler a revelação e publicar, porque o dilúvio de fogo está muito próximo, e a última páscoa vem logo depois. E você tem que escolher o lado que vai agir e ficar.

    ResponderExcluir